Novas empresas vão gerar mais de 2 mil empregos na Serra

Entre as empresas que vão se instalar estão: centros de distribuição; outlet; concessionárias; minishopping; e confecção de roupas e sapatos
Novas empresas vão gerar mais de 2 mil empregos na Serra
TEXTO: Eduardo Candeias e Jéssica Romanha   FOTO: Everton Nunes/Secom-PMS

Com o projeto de expansão do Terminal Industrial Multimodal da Serra (TIMS), a expectativa é que 50 novas empresas se instalem no local, gerando mais de 2 mil novos postos de trabalho diretos na Serra. Entre as empresas que vão se instalar estão: centros de distribuição; outlet; concessionárias; minishopping; e confecção de roupas e sapatos.

O projeto de expansão contempla a construção de armazém logístico para os mais variados usos e tipos de clientes, e os investimentos também serão aplicados em uma portaria inteligente e mais moderna, truck center para apoio aos caminhoneiros, implementação de vigilância reforçada com monitoramento eletrônico e praça de alimentação.

De acordo com o diretor do Terminal Industrial Multimodal da Serra, João Checon, serão investidos mais de R$ 200 milhões no TIMS nos próximos dois anos. “A expansão será com a construção de 100 mil metros quadrados de amarzém logístico”, afirma. Segundo João, atualmente o TIMS tem faturamento de mais de R$ 2 bi com as empresas já instaladas na área.

O prefeito da Serra, Audifax Barcelos, destaca a importância de investimentos para a cidade. “A vinda de novas empresas vai criar empregos qualificados e aumentar o volume de negócios na Serra. Além das vagas geradas diretamente, serão criados novos postos de trabalho indiretos, com empresas terceirizadas, de logística, entre outras. E esse é justamente um dos focos da gestão: a geração de trabalho e renda”, disse.

O município dispõe de excelentes opções para abrigar novos empreendimentos em seus polos empresariais. Esses espaços estão integrados à infraestrutura local e ao sistema logístico, viabilizando as mais diversas atividades econômicas.

“Estrategicamente posicionada no Espírito Santo, a Serra tem uma economia diversificada e em crescimento, que corresponde a 16,7% de toda a riqueza produzida no Estado. O município registra o 2º maior Produto Interno Bruto (PIB) do Espírito Santo, entre os 78 municípios”, lembra Audifax Barcelos.

Audifax destaca, ainda, que a Serra conta com instituições públicas e privadas direcionadas para a formação e qualificação técnica e superior da mão de obra local. Além disso, faz parcerias para capacitar a população, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O prefeito destaca, também, que o município garante, por meio de lei, às empresas dos setores industrial, comercial e de serviços que se instalarem ou ampliarem as atividades na cidade, diversos benefícios. Além disso, conta com a estrutura do Programa de Desenvolvimento e Proteção à Economia do Estado do Espírito Santo – Compete/ES, que contribui para a expansão, modernização e diversificação dos setores produtivos do Estado.

Polos empresariais modernos atraem investidores

A localização estratégica da Serra, as contas organizadas e o favorável ambiente de negócio são grandes atrativos para investidores. O município já se consolidou no mercado capixaba pela atração de grandes e pequenas empresas. “Acredito que o título de cidade campeã em transparência no Brasil também colabora para a atração de empresas”, ressaltou Audifax.

A Serra tem hoje 11 polos empresariais aptos a receber negócios de diferentes setores e com indicações de uso para armazenamento, indústria de transformação (baixo impacto), serviços industriais, atividades administrativas, comércio e serviços de transformação. Além disso, conta com loteamentos distribuídos por toda a cidade.

“Atrair e acelerar os processos de instalação de novos empreendimentos nas áreas disponíveis e já licenciadas são formas de gerar mais emprego e renda para os moradores”, disse o prefeito.

Infraestrutura e localização estratégica

A Serra, localizada na região metropolitana da Grande Vitória, está no raio de 1.000 km de cerca de 60% do mercado brasileiro. E vem diversificando e descentralizando sua economia, com modernos polos empresariais. Devido à sua posição geográfica estratégica e pela sua base estrutural, o município tem uma vasta capacidade de desenvolvimento.

A BR-101, uma das principais vias de ligação do país, atravessa a Serra de Norte a Sul. A ES-010 e a ES-264 também conectam a Serra a municípios vizinhos. Não muito distante, está a BR-262, que liga a Grande Vitória ao interior do estado de Minas Gerais. A Serra também é cortada pela Estrada de Ferro Vitória a Minas.

A cidade está próxima ao aeroporto de passageiros e cargas de Vitória, e dos portos, que compõem um dos maiores complexos portuários da América Latina.

Obra do Contorno do Mestre Álvaro traz mais desenvolvimento para a Serra

As obras do Contorno do Mestre Álvaro começaram e vão gerar mais empregos diretos e indiretos na cidade e movimentar a economia local. Ao todo, são 430 empregos diretos e 1.000 indiretos na Serra.

Além de mais segurança para o trânsito, a nova rodovia levará desenvolvimento para a região de Serra-Sede e áreas rurais do município que margeiam o Contorno. A abertura da estrada deve aumentar o fluxo de veículos e de pessoas no comércio local e o valor competitivo da terra nas suas adjacências, com possibilidade de surgimento de um novo polo industrial na cidade.

O investimento total da obra soma cerca de R$ 290 milhões. Um total de R$ 100 milhões já foi depositado e está garantido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para a realização da obra. A previsão é que o trecho seja entregue, no máximo, em três anos. A obra será realizada pelo consórcio Contractor.

O trajeto de mais de 19 km com pistas duplas vai tirar cerca de 35% do trânsito pesado que passa pela área urbana da BR-101 no município. A estrada sairá da rodovia do Contorno de Vitória, na altura de Cariacica, e vai até a região próxima ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Serra-Sede.

Para o prefeito da Serra, Audifax Barcelos, além de mais segurança para o trânsito e os empregos gerados durante a obra, a nova rodovia levará desenvolvimento para a região da Serra-Sede, incluindo bairros como Divinópolis, Belvedere e Planalto Serrano.

“A região tem mais de 100 mil habitantes. Essa obra tem papel econômico importante, vai trazer o desenvolvimento do comércio, o que também gera emprego. Com a inauguração da estrada e o valor competitivo da terra na região, muito em breve deve surgir um novo polo industrial na cidade”, ressalta o prefeito.

O grande objetivo da rodovia é tirar o tráfego pesado e de longa distância da BR-101 na área urbana do município da Serra, principalmente no trecho de Jardim Limoeiro e Carapina, considerado um dos mais perigosos do país. A expectativa é de que mais de 15 mil veículos deixem de circular pela região todos os dias. 

O novo acesso rodoviário deve também desafogar um gargalo logístico importante na região metropolitana da Grande Vitória, diminuindo a distância entre os municípios de Serra e Cariacica em 15 quilômetros e servindo como alternativa para a passagem de veículos pesados.

“É uma obra importante do ponto de vista da segurança viária e da economia no tempo de viagem, tirando um trânsito pesado de dentro do município da Serra”, destaca o prefeito.

Saiba mais: 
Investimento em infraestrutura
Duas novas rotatórias, em Maringá e Laranjeiras, vão impactar a vida de mais de 200 mil pessoas.

As obras da Rotatória de Maringá já estão em estágio avançado. A interseção que hoje gera engarrafamentos, por ser caminho para diversos bairros, vai se tornar muito mais moderna e ágil. Ao todo, R$ 8,4 milhões estão sendo investidos. A rotatória contempla novas ciclovias, calçadas, sinalização viária e terá uma saída para a BR-101, depois do bairro Barcelona. Serão construídos e recuperados, aproximadamente, 5,7 km de vias.

Em Laranjeiras, a nova rotatória do Hospital Dório Silva, a maior da Serra, conhecida como Rotatória do Ó, vai agilizar a vida de 4 mil motoristas que circulam por hora na região de Parque Residencial Laranjeiras.

A prefeitura vai investir R$ 60 milhões para construir um mergulhão na rotatória, com 150 metros, três faixas em sentido único para carros de passeio e duas faixas de mão e contramão exclusivas para o transporte coletivo.

O projeto prevê, ainda, a construção de uma praça, estacionamento público, calçadas e ciclovias. As obras estão previstas para começar no segundo semestre.

Localização: Em um raio de mil quilômetros, partindo da Serra, concentra-se 60% do PIB brasileiro.

Distância rodoviária da Serra a:
Rio de Janeiro/RJ: 549 km
Belo Horizonte/MG: 551 km
São Paulo/SP: 967 km
Salvador/BA: 1.025 km
Brasília/DF: 1.290 km
Goiânia/GO: 1.428 km

Uma cidade grande em território e números:
- 1º lugar em transparência no Brasil
- 10ª cidade brasileira que mais gera empregos no país
- 507 mil habitantes
- PIB de R$ 18,3 bilhões (2ª maior economia do ES)
- Abriga 11 modernos polos empresariais
- Mais de 600 empresas atacadistas
- Um total de 10.730 empresas atuantes e 8.524 indústrias
- 41,7 km de BR-101
- 547,637 km2 de área territorial